ADM de Redes

Um Blog sobre o dia a dia do Administrator de Redes e Servidores Microsoft

By

Opções de Storage para Hyper-V

Olá Pessoal,

Esses dias, entrei em uma discussão sobre opções de Storage para pequenas e médias empresas que não tem budget para adquirir um dispositivo de storage de alta capacidade e performance. A discussão colocava ainda a opção da VMware com o vSphere Virtual Appliance (VSA). Não quero entrar aqui no mérito de o que é melhor, Fiber Channel, iSCSI ou SMB3, mas sim colocar as opções de storage de baixo custo para pequenas e médias empresas.

Quando falamos de pequenas e médias empresas, normalmente são casos onde qualquer investimento tem que ser muito bem pensado pois, 1: Provavelmente este investimento será o único em um bom tempo e 2: Por conta desta falta de investimento, você terá que conviver por um longo período com as ferramentas disponíveis.

No caso do Hyper-V, temos algumas opções de storage que vão desde o mais simples até ambientes bem complexos e consequentemente mais caros. Vamos analisar as opções:

- Disco Local do Servidor:
Essa é a opção mais simples que você pode encontrar. Utilizar discos locais para armazenar as VMs. Obviamente, você terá algumas limitações, mas mesmo assim você pode ter uma performance satisfatória. E com tecnologias do Windows Server 2012 R2, pode extrair mais deste ambiente do que parece. A recomendação é que você possa pelo menos isolar os discos do servidor para que a performance da VM não seja influenciada pelo Host e vice-versa. Veja as possibilidades:

Para muitas empresas, executar as Máquinas Virtuais em discos locais é o suficiente. Veja que recursos importantes como Redundância de Discos, Hyper-V Replica e outros estão disponíveis mesmo nesta opção. É a partir daqui que a discussão começa a variar, dependendo do ponto de vista. Veja por que:

A VMware tem uma solução de Storage chamada VSA. O VSA existe pois no modelo de funcionamento de storage de um Host ESXi, para que uma VM seja visível a mais de um Host e você possa ter HA, vMotion e etc, o storage tem que ser compartilhado. A opção é ter um storage compartilhado, que na VMware pode ser Fiber Channel, FCoE, iSCSI ou NFS. Porém para muitas empresas, isso sai muito caro. Com isso, empresas SMB podem utilizar o VSA. Veja que o VSA deve ser licenciado a parte e só está disponível a partir do Essentials Plus, o que nos coloca de novo na posição complicada de budget disponível.

O que o VSA faz é apresentar uma unidade lógica para o Datastore acessível ao host ESXi, mas atrás deste datastore você tem discos locais de servidores distintos. Se um dos servers cai, a VM está rodando em um Datastore compartilhado e o processo de HA entra em funcionamento. No meu ponto de vista, vejo um problema básico nisso. A replicação desse storage é síncrona! Isso significa que, via rede, a VM vai gravar em 2 discos de 2 servidores distintos. Isso pode afetar a performance, mas por se tratar de uma solução para pequenas e médias empresas, pode não ser um problema. Além disso, se você fizer o desenho correto da infraestrutura, esse problema pode ser controlado, mas novamente requer investimento.

Colocando aqui o meu ponto de vista: A partir do momento que HA se torna uma obrigatoriedade e um investimento é necessário, a questão toda já está errada no desenho dessa solução, pois você está usando os discos do servidor que também é o Host de Virtualização. Isso só faz sentido em empresas que tem 2 servidores e o investimento em um terceiro servidor está completamente fora de questão. Para mim, um desenho correto de solução de HA começa com 3 componentes: 2 Hosts e 1 Storage. Esse storage pode ser um dispositivo de storage ou um servidor mesmo.

Para não deixar esse post muito longo, vou parar por aqui e continuar em um segundo post. No próximo post vamos explorar as opções de Storage nativas no Windows Server.
Fique à vontade para fazer comentários e colocar sua opinião também!

Até mais!

By

Por que um profissional Microsoft (da Microsoft) se certifica em VMWare?

Olá Pessoal,

Quem me acompanha pelo Facebook, Twitter e outras redes sociais, viu que na semana passada eu fiz o treinamento ICM (Install, Configure and Manage) 5.1 da VMware. E ontem, coloquei a seguinte imagem em meu Facebook:

A certificação VCA – VMware Certified Associate – Datacenter Virtualization é a primeira da família de certificações VMware. Depois desta prova, o caminho natural é fazer o VCP – VMware Certified Professional. Pretendo fazer essa certificação ainda em Dezembro.

A pergunta é: Por que?

V, System Center e Azure. Nesta função, assim como outros Technical Evangelists pelo mundo, faço entrega de diversos eventos técnicos que contam com a participação de profissionais de diversos clientes. Muitos deles, inclusive, utilizam tecnologias de concorrentes, como a VMware.

Há cerca de 1 ano, os gerentes da Microsoft na Corp propuseram um desafio para todos os TEs de Infra do mundo: Todos eles deveriam se certificar em Private Cloud Microsoft. E quem obtivesse esta certificação teria o curso ICM e a prova VCP da VMware subsidiada pela Corp. Além de um benefício, há um ponto muito importante por trás disso.

Quando estamos em um laboratório apresentando as soluções Microsoft para clientes que trabalham com nossos concorrentes, somos questionados em como a Microsoft se compara com este concorrente. E normalmente, estudamos as funcionalidades deste concorrente para poder responder a este tipo de pergunta. Mas mesmo assim, ainda é um profissional Microsoft falando da própria Microsoft. Quando coloco na mesa que possuo uma certificação VMware, e mostro que realmente entendo as funcionalidades, recursos e etc, deste concorrente, a conversa muda completamente. Nesse momento sou capaz de dizer tecnicamente as vantagens e desvantagens de cada tecnologia. De novo, ainda é um profissional Microsoft falando da própria Microsoft, mas nesse momento eu tenho o que chamo de “respeito técnico” dos participantes do evento.

Isso tudo é muito importante pois em quase que 100% dos casos, os profissionais acabam trabalhando com uma tecnologia e não se preocupam em conhecer um concorrente. Eu sempre digo que um profissional muito bom, é aquele que conhece a fundo e em detalhes um produto que trabalha. É o chamado “Especialista”. O profissional de destaque, vai conhecer, não o produto, mas a tecnologia em que trabalha, sendo o produto um detalhe para que possa exercer sua profissão. É isso que busco me certificando em VMware.

Abraços!

By

Essa você não pode perder! Dicas de Performance Tuning para Windows Server 2012 R2!

Olá Pessoal,

Vira e mexe, alguém me pergunta sobre melhores práticas para Windows Server sobre Hardware, Subsistemas, Funções e etc. Hoje recebi um e-mail interno com o link para um site mais que interessante… Na verdade, diria que é uma das melhores documentações que já nos últimos tempos!

O site contém guias de performance tuning para Hardware, subsistemas, Funções de Servidor, Workloads e mais… Para acessar o site, clique aqui.

Espero que gostem da dica!
Até mais!

By

Livro Microsoft Hyper-V Cluster Design

Olá Pessoal,

Há algum tempo, venho trabalhando em mais um projeto de revisão técnica de livro sobre Hyper-V. Desta vez, o livro foi sobre Design de cluster de Hyper-V. O escritor foi o Eric Siron. Claro que revisar um livro nem se compara com escrever um, mas mesmo assim foi um trabalho árduo e que precisou de bastante dedicação.

Eu, particularmente, fiquei muito bem impressionado com o livro. Achei ele extremamente completo e didático. O livro foi lançado há pouco e em breve estará disponível no site da Editora aqui, ou na Amazon aqui.

Espero que vocês gostem do livro e da dica…
Até mais!

By

Comparando vSphere e Windows Server 2012 R2!

Olá Pessoal,

Muita gente, principalmente administradores VMWare, me questiona sobre diversos recursos de Virtualização Microsoft. E é sempre bom quando alguém resolve perder um tempo entendendo as diferenças e colocando explicações claras e simples para comparar as soluções de Virtualização Microsoft com VMWare.

Bom, o Technical Evangelist Keith Mayer publicou em seu blog uma comparação das versões mais recentes de ambos os fabricantes. Acho que vale a pena dar uma olhada e comparar o que é importante para você. Se você tem alguma dúvida de licenciamento, recomendo dar olhada no que já foi publicado aqui sobre licenciamento.

Até mais!

By

Refazendo ambiente de Demonstrações do ITCamp – Viva o Powershell

Olá Pessoal,

Esta semana decidi que é hora de começar a arrumar a casa para os próximos ITCamps, para que possamos mostrar as novidades do Windows Server 2012 R2. E como toda vez que precisamos arrumar a casa, ou seja, nosso ambiente de laboratório, algumas tarefas se tornam repetitivas. Não me entende mal, uma das coisas que mais gosto de fazer é instalar esses ambientes, testar novos recursos e etc, mas algumas tarefas são realmente repetitivas e cansativas. A principal delas é a criação de VMs. E no meu caso, é um pouco mais complicado, pois para economizar espaço em disco, meu ambiente de demonstração é praticamente todo com VMs com discos diferenciais. Basicamente, o processo que tenho que fazer para criar uma VM é:

(Veja que antes do processo abaixo, eu criei um disco de template com Windows Server 2012 R2. Para isso, eu criei uma VM inicial e após a instalação do Windows Server 2012 R2 eu rodei o sysprep com opção de OOBE, Generalize e Shutdown marcados. Deletei a VM e preservei o VHDX. Esse é o meu template que é referenciado abaixo)

1- Criar a VM no Host que pretende colocar a VM, mas criar a VM sem disco.
2- Abrir as propriedades da VM e criar um disco Diferencial apontando o disco Template como Parent.
3- Aplicar as configurações.

O processo é relativamente simples, mas fazê-lo todas as vezes que você precisa criar uma VM é, digamos, chato. Para isso, eu criei um script Powershell que queria compartilhar com vocês:

$ComputerName = “Host02
$GenerationType = “1
$MemoryGB = “1073741824#4GB
$VMName = “SRV-DC02
$VMPath = “C:\VMStore\
$VMSwitch = “External Network
$VHDParentPath = “C:\VMStore\WS2012R2-Template.vhdx
$VHDName = “\disk01.vhdx
$VHDPath = $VMPath+$VMName+$VHDName
[int64]$SizeBytes = “127
$ControllerType = “IDE
$ControllerNumber = “0

#Creates the VM with no VHD attached to boot from
New-VM -ComputerName $ComputerName -Generation $GenerationType -Me
moryStartupBytes $MemoryGB -Name $VMName -NoVHD -Path $VMPath -SwitchName $VMSwitch
#Creates the 127GB differential VHDX inside the VM folder using a parent VHDX file
New-VHD –ParentPath $VHDParentPath –Path $VHDPath -Differencing -SizeBytes ($SizeBytes * 1073741824) -ComputerName $ComputerName
#Attach the VHDX created above to the VM created
Add-VMHardDiskDrive -VMName $VMName -Comput
erName $ComputerName -ControllerType $ControllerType -ControllerNumber $ControllerNumber -Path $VHDPath

Você pode copiar o texto acima e salvar como um arquivo .PS1 para execução posterior. Veja que para o script acima funcione você tem que ter no Host de Virtualização uma pasta chamada “C:\VMStore\” e dentro desta pasta colocar o arquivo template VHDX. Além disso, é importante alterar os valores das variáveis declaradas para ficar compatível com o seu ambiente. Você pode modificar o script de acordo com o que você precisar. Basicamente o que ele faz é:

Linha 1: #Creates the VM with no VHD attached to boot from
Esta Linha irá criar uma VM no host especificado dentro da pasta C:\VMStore\. Essa VM estará sem disco de Boot e terá 4GB de Ram. Além disso, a VM estará conectada à rede chamada “External Network”. (Veja que o switch virtual deve ser criado antes!)

Linha 2: #Creates the 127GB differential VHDX inside the VM folder using a parent VHDX file
Essa linha do script irá criar um VHDX diferencial de 127GB utilizando o Template do Windows Server 2012 R2

Linha 3: #Attach the VHDX created above to the VM created
Esta linha irá vincular o VHDX criado na VM criada.

Espero que tenham gostado da dica e que o script ajude nos seus laboratórios!
Até mais!

By

Virtualização com Windows Server 2012 Standard.

Olá Pessoal,

Fechando nossa série de dúvidas de licenciamento com Windows Server 2012, queria colocar um outro ponto que causa uma certa confusão. Como dito em posts anteriores, a licença do Windows Server 2012 Standard licencia 2 processadores e possui o direito de execução de 2 Máquinas Virtuais com Windows Server 2012 Standard.

A forma como isto está descrito no PUR (Product User Rights) é, mais ou menos, da seguinte forma:

- Você deve associar cada licença a um único servidor.
- Uma licença é necessária para cada 2 processadores no servidor.
- Para licenças Standard, você pode utilizar uma licença ativa no OSE (Operating System Environment, ou seja, ambiente de SO) Físico, e para cada licença associada, até 2 OSE Virtuais rodando a licença de servidor.

Há ainda alguns outros pontos, mas para o nosso caso, queria destacar esse último parágrafo. Veja que você pode ter, com uma licença de Windows Server 2012 Standard, 3 instalações do mesmo, sendo uma na máquina física e duas em VMs executadas neste Host.

Há ainda outro ponto muito importante, que diz o seguinte:

- Se as duas licenças de OSE Virtuais estiverem utilizadas, a instalação do OSE físico é permitido apenas para funções de virtualização de Máquinas Virtuais.

Esse último ponto pode gerar muita discussão, e a idéia deste post é esclarecer exatamente isso. No cenário onde você tem apenas uma licença de Windows Server 2012 Standard e está executando as duas licenças em Máquinas Virtuais, o Host pode receber a instalação do Windows Server 2012 Standard também, porém, apenas para fins de Virtualização. Isso significa que você não pode destinar esse Host para ser um File Server, por exemplo, ou um Domain Controller, assim como qualquer outra aplicação que irá atender aos usuários da empresa.

Neste momento, você pode estar pensando. Mas e se eu tiver uma aplicação que apenas monitora o ambiente de Virtualização, ou até mesmo, uma aplicação para Backup do Host e das Máquinas Virtuais em execução? Neste caso, e apenas para estes casos, você pode instalar estas aplicações. Veja, se a aplicação que você vai instalar no Host, serve para o propósito de monitoração ou backup do ambiente de Virtualização, então ela não fere os direitos de utilização desta licença no Host e das Máquinas Virtuais que você tem direito.

Espero que esta dica tenha ajudado!
Até mais!

By

Reassociação de Licenças do Windows Server 2012

Olá Pessoal,

Como licenciamento tem se mostrado um assunto quente, estou entrando em maiores detalhes em alguns casos que merecem mais atenção. Hoje, vamos falar mais sobre Reassociação de Licenças do Windows Server 2012. De fato, a maioria dos softwares Microsoft podem ser reassociados, mas isso varia de software para software e em casos de Licenças como CAL e External Access, há ainda alguns detalhes para serem seguidos. Aqui vamos discutir alguns cenários de utilização do Windows Server 2012 e principalmente com Virtualização.

Antes de entrarmos na questão da reassociação de licenças, vale a pena lembrar que as licenças de Windows Server 2012, tanto Standard como Datacenter, devem ser associadas a um Host de acordo com o número de Processadores do mesmo. Cada licença, tanto Standard como Datacenter, licenciam 2 processadores físicos, mas a versão Standard tem direito de Virtualização de 2 VMs e a Datacenter, ilimitadas VMs.

A reassociação de Licenças, como disse, é possível. Isso significa que uma licença atrelada a um Host e seus processadores pode ser repassada para outro servidor. Porém, algumas regras devem ser obedecidas.

Para ficar mais fácil o entendimento, veja a imagem abaixo:

Redesignacao

Na imagem acima, o Host 01 possui o Hyper-V Server instalado e tem 2 licenças do Windows Server 2012 Standard associadas. Além disso, o Host 01 tem 4 processadores. O host 02 por sua vez não tem SO instalado. Este cenário está perfeitamente licenciado. Veja agora, os seguintes cenários:

- Se instalarmos o Windows Server 2012 no Host 02, que tem 2 processadores, precisamos de no mínimo mais uma licença de Windows Server 2012 Standard associada ao Host 02.

- Se instalarmos o Hyper-V Server 2012 no Host 02, ele não tem direitos de virtualização. Para que possamos colocar qualquer VM com Windows Server instalado, uma licença de Windows Server deve ser associada a este host, mas enquanto uma VM com Windows Server não é criada, o cenário está licenciado corretamente também.

- Caso seja instalado o Hyper-V Server 2012 no Host 02, podemos reassociar a(s) licença(s) de Windows Server 2012 Standard para este Host para que as VMs sejam movidas para o mesmo.

Este último ponto é o mais importante aqui. Quando reassociamos uma licença de Windows Server de um servidor para outro, o processo de reassociação desta licença não pode ser feito novamente dentro de 90 dias. Isso significa que você não pode ficar movendo a licença de um lado para outro a qualquer momento. Veja, se o Host 01 e 02 possuem licenças para hospedar todas as VMs, ou seja, existem 4 licenças de Windows Server 2012 Santandard, 2 para cada Host, o processo de movimentação das VMs pode ser feito sem nenhum problema. A licença de execução de uma VM com Windows Server é uma coisa, a VM em si é outra.

Para o cenário acima onde a VM vai ser movida de uma lado para o outro a qualquer momento, o correto é ter 2 licenças Windows Server 2012 Standard para cada Host, ou seja, 4 licenças de Windows Server 2012 Standard.

Eu mencionei também, que o Host 02 tem apenas 2 processadores e que cada licença cobre 2 processadores, certo? Isso significa que apenas uma licença atende neste caso? Não, pois neste caso, temos 4 VMs com Windows Server. Com isso, se faz necessário o número de licenças para todas as VMs, sendo ignorado o número de processadores menor.

Existe porém, um caso onde a movimentação de licenças do Windows Server é permitida mesmo que antes dos 90 dias padrão. Veja na imagem abaixo:

Redesignacao01

Na imagem acima, o Host 01 tem 2 licenças de Windows Server 2012 Standard associadas a ele e o Host 02 não tem nenhuma licença associada. Ambos tem o Hyper-V Server 2012 instalado. Porém, o Host 01 apresentou uma falha de hardware permanente e não será mais colocado de volta em funcionamento. Neste caso as VMs de 01 a 04 serão movidas para o Host 02. Para este caso, a movimentação de licenças é permitida mesmo que o período de 90 dias da última movimentação não esteja completo. Veja que o Host 01 será aposentado, ou seja, não será ligado novamente devido a esta falha de hardware. Qualquer outra situação, como conserto de hardware, deve obedecer ao período de 90 dias.

Espero que mais esta dica tenha ajudado!
Até mais!

By

Licenciamento de Hyper-V Replica com Software Assurance

Olá Pessoal,

Licenciamento sempre é assunto que chama a atenção. Vide este post que fiz explicando o licenciamento do Windows Server 2012 que teve diversos comentários. E algumas situações acabam sendo tão específicas que merecem um post a parte. É o caso do Hyper-V Replica.

O Hyper-V Replica é um recurso do Hyper-V 3.0 presente no Windows Server 2012 e no Hyper-V Server 2012. Com ele você pode ter uma replica de determinada VM em outro servidor. A ideia do Hyper-V Replica é que você possa fazer o failover desta VM caso o host original seja comprometido. Com o Hyper-V Replica, você pode ter uma solução de Site Disaster Recovery com custo zero. É preciso, porém, tomar cuidado com o licenciamento destas VMs.

No caso do Hyper-V Replica, a VM original está em funcionamento e precisa sar licenciada. A VM de destino, apesar de desligada, está operante e também precisa ser licenciada. Veja o caso abaixo:

Veja a imagem abaixo:

Replica01

O Host 01 no Site A tem 4 VMs. Se você licenciar o Host 01 com a Edição Standard, você irá precisar de 2 licenças pois cada licença dá direito a 2 VMs licenciadas. Veja que este servidor não pode ter mais do que 4 processadores físicos também, pois tanto Standard como Datacenter cobrem 2 processadores, com cada licença. Porém, a versão Datacenter licencia ilimitadas VMs.

Veja que a mesma situação é aplicada no Host 02 do Site B. As VMs que estão neste Host são replicas das VMs do Host 01 no Site A e precisam ser licenciadas. É aqui que entra em ação um dos benefícios do Software Assurance. Se você tem um contrato válido com a Microsoft com Software Assurance em vigência, as VMs do Host 02 no site B não precisam de licenciamento. Quando uma falha ocorrer no site A, você pode ligar as VMs no Site B e transferir a Licença que estava vinculada ao Host 01 ao Host 02.

Veja que algumas condições devem ser atendidas:

- As VMs no site de Replica devem ficar desligadas todo o tempo, a não ser para Testes. Segundo o Product User Rights, você poderia ligar estas VMs de Disaster Recovery apenas para Patch, Testes ou Disaster Recovery, mas Patch não vem ao caso pois toda a configuração está sendo replicada automaticamente.

- Se o Host 01 fizer parte de um Cluster e estas VMs estiverem com Alta Disponibilidade, as VMs replica não podem fazer parte do mesmo cluster, ou seja, o Host 02 não pode fazer parte do mesmo cluster que o Host 01. Ele pode ser uma servidor Node de outro Cluster. Poderiamos também ter o inverso. O Host 01 ser um host standalone e o Host 02 fazer parte de um cluster, mas de qualquer forma, as VMs não poderiam estar no mesmo cluster.

- Este benefício termina no momento que seu contrato com Software Assurance também termina. Para continuar com este benefício o Software Assurance deve ser renovado.

Bom, espero que esta dica tenha ajudado pessoal. Se tiver alguma dúvida, fique a vontade para discutirmos nos comentários.
Até mais!

By

Alta Disponibilidade de Serviços de Impressão no WS2012

Olá Pessoal,

Se você está acostumado a projetos de cluster, provavelmente, você já se deparou com um projeto de cluster de servidores de impressão. Até o Windows Server 2008 R2, este era um assunto um tanto quanto delicado.

Delicado pois para se ter um cluster de impressão até o Windows Server 2008 R2, você deveria montar um cluster “padrão” e adicionar o serviço de impressão como uma “Role” do cluster. Por funcionar como uma “Role” do cluster, muitas impressoras tinham incompatibilidade de drivers, o gerenciamento não era tradicional como uma impressora instalada normalmente, além de alguns processos requererem scripts que normalmente não eram fáceis de se desenvolver.

Enfim, gerenciar um cluster de impressão era um processo, como disse, um tanto delicado. Isso mudou drasticamente no Windows Server 2012. A primeira mudançca que alguém irá perceber é o fato de o serviço de impressão não estar mais disponível como uma “Role”:

image

Bom, não se desespere. Há um motivo para o serviço de impressão não estar disponível aqui. Na verdade, houve uma mudança de conceitos no Windows Server 2012.

No Windows Server 2012, se você quiser um serviço de impressão com Alta Disponibilidade, você deverá criar uma Máquina Virtual com Alta Disponibilidade e nesta Máquina Virtual você irá configurar o serviço de impressão normalmente, como faria em um servidor de impressão qualquer.

Por que isso? Bom, como dito acima, configurar um serviço de impressão em Alta Disponibilidade, pode gerar mais confusão do que resolver problemas. Com isso, este novo modelo se mostra muito mais flexível. Com a VM com alta disponibilidade, fica fácil de gerenciar o serviço de impressão, não há problemas de incompatibilidade de drivers, e etc.

Basicamente, com este novo modelo, você terá um servidor de impressão como qualquer outro. E no caso de falha de um dos nós do seu cluster, a VM será ligada em outro nó, retornando o serviço de impressão ao estado normal.

Isso fica ainda mais interessante quando combinamos esse novo modelo com um novo recurso do Windows Server 2012. O recurso de VM Monitoring, ou Monitoração de VM. Este recurso permite que o cluster verifique os serviços desejados nas VMs e tome uma ação caso o serviço não esteja em seu funcionamento padrão. Em uma VM que é servidor de impressão, você teria algo como o abaixo:

image

Com este recurso configurado, caso os nós estejam funcionando, mas o serviço de impressão dentro da VM apresente uma falha, o próprio serviço de cluster poderá tentar remediar a VM. Primeiramente, por padrão, ele tentará reiniciar a VM. Isso, no caso de um serviço de impressão poderá resolver o problema. Mas se o problema persistir, o serviço de cluster fará o Live Migration desta VM para outro nó, imaginando que se for algum problema de hardware, este será resolvido. Com isso, muito provavelmente o problema será resolvido. Mesmo assim, se o problema não for resolvido, a VM ficará indicada como “Application in VM State Critical”.

Espero que vocês tenham gostado das novidades e que de agora em diante fique mais fácil criar seus cluster de Servidores de Impressão.
Até mais!